Esta página é dedicada ao jornalista  Humberto Lage Serqueira

 

Um conservador de vanguarda

Fundado em  17 de julho de 1928 por José Eduardo de Macedo Soares, o Diário Carioca foi um dos mais influentes jornais do País e o responsável pela modernização técnica da imprensa brasileira.

Introduziu o lead nas matérias, criou o copidesque e lançou o primeiro manual de redação jornalística. Com o surgimento de Brasília, foi o primeiro jornal diário a circular no Distrito Federal.

Foto: Rotary Online (link no final da página)

Verdadeira usina de talentos, abrigou grande parte de nossos melhores jornalistas, até fechar, em dezembro de 1965. O jornal ficava na Av. Rio Branco nº 25, próximo à Praça Mauá, no Centro do Rio de Janeiro. A redação ocupava uma sobreloja, e a oficina, o térreo e o subsolo.

Novo estilo

A reforma do estilo da imprensa brasileira começou na década de 1950 no Diário Carioca, de forte tradição política e orientação conservadora. Lá, dois professores do curso pioneiro de jornalismo que funcionava na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil - Danton Jobim, o catedrático, e Pompeu de Souza, seu assistente - arregimentaram um grupo de jovens, vindos quase todos de diferentes cursos universitários, para introduzir no Brasil as técnicas de redação originalmente desenvolvidas nos Estados Unidos e que já se haviam generalizado nos países desenvolvidos.

Do Diário Carioca a nova maneira de redigir migrou - na verdade, foram os redatores que migraram - , para o Jornal do Brasil, veículo tradicional (fundado em 1891, com orientação monarquista) que se decidiu a fazer uma reforma editorial. Lá, no final da década de 50 e nos primeiros anos da década de 60, o estilo de texto se fixou, associando-se a uma nova estética gráfica, de matriz construtivista. 

O Diário Carioca foi um jornal tecnicamente revolucionário, que terminou com  o lero-lero das reportagens intermináveis em que a estrela era o repórter,  e não o assunto. (Paulo Francis)

Só no início da década de 70 os outros grandes jornais do Rio de Janeiro (como O Globo) e de São Paulo (O Estado de S. Paulo, a Folha de S. Paulo) - logo seguidos pela imprensa de todo o País - adotariam algumas das normas de redação lançadas pelo Diário Carioca e fixadas no Jornal do Brasil.

Em São Paulo, a mudança dos métodos e critérios do jornalismo havia começado, no final da década de 60, com uma revista mensal ambiciosa e muito bem editada, Realidade. Para a mudança nos jornais, foram feitas algumas experiências, a começar pelo vespertino de O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde, que dava às matérias noticiosas estilo inspirado no dos magazines. 

A incorporação do novo modo de escrever ao noticiário tradicional fez-se aos poucos, com a preocupação de copiar rigorosamente modelos americanos, de modo que algumas das criações mais originais do Diário Carioca não chegaram ou demoraram a chegar à imprensa paulista. 

O que mudouFoto: Site Zuenir Ventura (link no final da página)

Foram características da reforma do Diário Carioca:

- a adaptação do lead - primeiro parágrafo da matéria impressa, onde consta o fato principal ou mais importante de uma série, tomado por seu aspecto principal - à língua portuguesa evitando, por exemplo, o estilo uma proposição por período, que é ainda hoje norma imposta na Folha de São Paulo, e dá aos textos aspecto telegráfico, de leitura cansativa. Para isso, foram consultados outros modelos de adaptação, principalmente dos jornais ingleses e franceses; 

- a incorporação progressiva de usos propostos, na literatura, pelos modernistas de 1922, para aproximar a escrita da fala corrente brasileira. Nessa linha, as pessoas deixaram de morar à Rua X para morar na Rua X. Os tratamentos tornaram-se menos cerimoniosos; passou-se, aos poucos, a escrever o nome das pessoas sem a precedência de um título - senhor, senhora, doutor, excelência, dona e, para os desqualificados, indivíduo. Os redatores do Diário eram leitores constantes de autores modernos, particularmente de Graciliano Ramos, cujo estilo enxuto tomava-se como modelo.

É interessante comparar os style books - manuais de redação - do Diário e dos jornais atuais. O manual escrito em 1950 por Pompeu de Souza, é um documento sintético, até porque produzido por quem iria gerir sua aplicação. Contém algumas concessões ao espírito da época: não se admitia chamar uma mulher casada, pelo menos as da classe dominante, pelo nome; era necessário precedê-lo de d. Da mesma forma, o pronome para o Papa não era ele, mas Sua Santidade, e temia-se que fosse impossível suprimir inteiramente o Exa do nome de alguns personagens. Esses preceitos tiveram que ser modificados ao longo do tempo, à medida que a evolução dos costumes ia permitindo as mudanças.

O Pasquim foi uma grande revolução de linguagem, continuou 

a obra do Diário Carioca. Um jornal inteiro escrito

 de maneira coloquial... (Paulo Francis)

Dentre os manuais lançados por empresas que editam atualmente jornais diários, o mais interessante e útil é o Manual de Redação e Estilo de O Globo, editado por Luiz Garcia. É também o que mais se aproxima do espírito do style book do Diário Carioca.

Os manuais de redação atuais costumam ser detalhistas, abrangentes e presunçosos. Misturam orientações técnicas com discursos sobre o que o dono do jornal pensa do mundo - e nisto se parecem com o manual da Tribuna da Imprensa, de Carlos Lacerda que, na década de 50, imitando o Diário Carioca, lançou também sua versão - acrescentando critérios editoriais genéricos, manifestações de princípios e argumentos de marketing institucional.

O Diário Carioca (DC-Brasília) foi o primeiro jornal diário a circular na capital federal, a partir do dia 12 de setembro de 1959, sob a direção do jornalista Elias de Oliveira Júnior.

 Barracão que abrigava a sede do jornal DC-Brasília

Inicialmente sua sede ficava em um barracão de madeira (foto) na 2ª Avenida da "Cidade Livre" e mais tarde numa sobreloja da quadra 508 da Avenida W-3 Sul, onde funcionava a redação.

Os textos eram mandados para as oficinas do DC no Rio de Janeiro, por telex, telefone e pelo último avião, no qual também iam as fotografias. A edição era impressa durante a madrugada e o jornal seguia para Brasília no primeiro vôo da manhã.

( fontes: web e principalmente o Prof. Nilson Lage, a quem muito agradecemos ) 


> Diário Carioca

> O Jornal e  

     Jornal do Commercio


Quem fazia o DC

Agnelo Alves

Alaor Barreto

Alcino Soeiro

Amilcar de Castro

Ana Arruda Callado

Antônio Bento

Antônio Houaiss

Antônio Maria

Armando Nogueira

Araquém Moura Roulien

Arnaldo Martins

Ascendino Leite

Benjamin Lima

Berilo Dantas

Caó

Carlos Davi

Carlos Lacerda

Carlos Oliveira

Carlos Tenório

Cartola

Carybé

Castelo Branco

Claudius

Danton Jobim

Décio Vieira Ottoni

Deodato Maia

Di Cavalcanti

Dilson Ribeiro

Elias de Oliveira

Ely Moreira

Epitácio Timbaúba

Ernani Sátyro

Evandro de Andrade

Everardo Guilhon
Fabiano Vilanova 

Fernando Sabino

Ferreira Gullar

Flávio E. Macedo Soares

Francisco A Barbosa

Geir Campos

Gilberto Freyre

Gilson Campos

Gualter Loiola

Hélio Pólvora

Hélio Vargas

Horácio Carvalho

Humberto Lage Serqueira

Ibrahim Sued

Ibsen Pinheiro

Ipojuca Pontes

Ivan Lessa

Ivan Lins

Janio de Freitas

Jean Pouchad

Joanyr de Oliveira

Joaquim de Sales

José Augusto Ribeiro

José Carneiro

José Fonseca

José Louzeiro

José Pinto

José Ribeiro

José Silveira Sampaio 'Sam'

José Tinhorão

Josué de Castro

Kleber Paulistano

Levi Carneiro

Luís de Andrade

Luís Paulistano

Macedo Soares

Maneco Müller

Mario H. Pinto de Alvarenga

Maria do Socorro

Maria Ignez Duque Estrada

Mário Nunes

Mário Ribeiro

Maurício Azêdo

Maurício de Medeiros

Mauritônio Meira

Merival Lopes

Milton Coelho

Milton Temer

Moacyr Félix

Murilo Melo Filho

Murilo Rubião

Nego Lumumba

Nelson dos Santos

Nestor de Holanda

Nilo Dante

Nilson Lage

Nilson Viana

Norma Rego

Ofir Pinheiro

Otávio Bonfim

Oto M Carpeaux

Otto Resende

Pacheco Queiroz

Paulo Campos

Paulo Francis

Pedro Dantas

Pedro Gomes

Pompeu de Souza

Prudente de Morais

Raymundo Dantas

Ricardo Galeno

Renato Jobim

Renato Portela

Rogério Fabiano

Rubem Braga

Sábato Magaldi

Sebastião Nery

Sérgio Cabral

Sérgio Buarque de Holanda

Sérgio Porto

Seu Amadeu

Sônia Nolasco

Stefan Baciu

Stella Lachter

Theodoro Barros

Vadeco

Venancio R Vieira

Walmir Ayala

Wilson "Figueiró"

Zélio Valverde

Zezé Cordeiro

Zuenir Ventura


Obs.: Se você trabalhou no DC, por favor, mande seu nome para registrarmos. Também buscamos fotos da redação.

>  e-mail   


 


    Para baixar em formato PDF (downloads gratuitos):

Diário Carioca, o jornal que mudou a imprensa brasileira 

   (livro de Cecília Costa, 2011.Volume 9 dos Cadernos da Biblioteca Nacional, 504 págs)

> Manual de Redação - Diário Carioca

> Manual de Redação - O Jornal e Jornal do Commercio (Diários Associados)


atualizada em janeiro de  2013 webmaster

  http://serqueira.com.br